CLASSE CONTÁBIL CONTRIBUIRÁ PARA A IMPLANTAÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

Os escritórios de Contabilidade que são optantes pelo Simples, prestarão gratuitamente informações e orientações aos pequenos empreendedores sobre o MEI


Lideranças de diversos segmentos da sociedade, entre eles do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e da Federação Nacional de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, perícia, informações e pesquisas (Fenacon) participam de reuniões no Ministério da Previdência Social, em Brasília (DF) para tratarem da implantação do MEI. O objetivo das reuniões é a divulgação dos benefícios que serão gerados para os empreendedores individuais que desejarem sair da informalidade. Atualmente existem 51% de trabalhadores na informalidade.

Os escritórios de contabilidade, composto atualmente por 70 mil, poderão ajudar na divulgação e na adesão do MEI. Vale lembrar que apenas os escritórios optantes pelo Simples — incluídos no anexo III da tabela do Super Simples — prestarão gratuitamente informações e orientações sobre o MEI que entrará em vigor a partir do dia 1º de julho/09. Para o vice-presidente de Desenvolvimento Profissional, Juarez Domingues Carneiro, o CFC participa do projeto por julgá-lo importante para a sociedade. A próxima reunião está marcada para o dia 12 de maio, no Ministério da Previdência Social. Na pauta serão apresentados a identidade visual e o portal MEI, além do alinhamento das demais questões envolvendo a comunicação, atendimento, regulamentação e portfólio de benefícios.

Na última semana, foi aprovada a resolução CGSN nº 58 que prevê as condições de enquadramento, recolhimento, contratação de empregado, realização de mão-de-obra, desenquadramento e a relação das atividades que se enquadram na nova categoria(Texto desenvolvido por Anna KArina Spedanieri - 12/05/09, às 9 horas)

Postagens mais visitadas deste blog

FINANÇAS PESSOAIS: CINCO SINAIS QUE VOCÊ DEVE EVITAR EM 2020

DEMANDA POR SMARTLOCKERS CRESCE 30% NA LOGÍSTICA DO E-COMMERCE

Coronavírus: como as decisões dos governos afetam nosso bolso?