THE MONEY CAMP APÓIA A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES NAS ESCOLAS PARA EDUCAR FINANCEIRAMENTE O PÚBLICO JOVEM

Para Silvia Alambert, diretora executiva da The Money Camp Brasil, programa que educa crianças e jovens financeiramente, ainda que a ação seja positiva, para que se torne efetiva, além do investimento em cartilhas e livros, é preciso que os professores tornem atraente o conteúdo financeiro a ser transmitido aos alunos. Caso contrário, a matéria fica pesada e sem sentido, já que os jovens não se sentem responsáveis pelo seu próprio futuro.



MAIO 2010 – “Somente 4,6% dos adolescentes terminam o ensino médio sabendo as operações básicas de matemática”, informou o jornalista Gilberto Dimenstein durante o Congresso Consumidor Moderno de Crédito, Cobrança e Meios de Pagamento, realizado nos dias 28 e 29 de de abril/ 2010. “Hoje, a maioria da população não sabe gastar e a classe C é a mais endividada, por causa da alta do crédito no mercado.”



Durante o encontro, Alzira Silva, técnica em planejamento e gestão do MEC concordou sobre a atual problemática e explicou sobre o novo projeto de formar uma cartilha sobre educação financeira para ser difundida nas escolas públicas, projeto que foi iniciado há três anos e mesmo com a união de quatro instituições: CVM (Comissão de Valores Mobiliários), Banco Central do Brasil, Susep (Superintendência de Seguros Privados) e Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar) ainda está em andamento. Essas instituições auxiliam na ampliação do programa e a formar um conteúdo adequado à linguagem. Segundo Alzira, os assuntos precisam ser adaptados à realidade do povo brasileiro. Para saber mais sobre a polêmica da educação financeira discutido durante o congresso leia a matéria completa no link http://ccmcc.com.br/cobertura-do-evento/499-a-polemica-educacao-financeira



Na opinião de Silvia Alambert, educadora financeira e fundadora da The Money Camp no Brasil, a iniciativa é positiva, mas a experiência mostra que um curso de educação financeira efetivo tem que ser continuado. “Não adianta simplesmente transmitir conceitos básicos e não aprofunda-los ao longo do desenvolvimento deste jovem e achar que ele estará consciente sobre o uso do dinheiro ou pronto para ir buscar informações para complementar seu conhecimento”, ressalta.



Ela explica que é necessário uma mobilização por parte do governo, empresas e entidades para implantar os conceitos da educação financeira de forma abrangente, que alcance também as famílias nas comunidades onde os cursos serão implantados e acompanhados, para que o valor investido em todas as ações seja bem aproveitado e mostre resultados no médio e longo prazo.



The Money Camp tem um programa de educação financeira que já foi aplicado em algumas escolas da capital Paulista com resultados positivos. A Escola Castello Branco, por exemplo, na Bela Vista é um exemplo de que a educação financeira continuada mostra resultados motivadores. Com o curso implantado desde 2007, observando a motivação das crianças sobre o tema, inseriu o programa como matéria curricular para que todos os alunos da escola pudessem compartilhar dos mesmos resultados. “ A educação tem que ser uma via de duas mãos, ainda que se inicie pelas crianças e jovens. A orientação, participação e apoio da família é essencial para que os resultados surjam. Não adianta querer que o jovem saia de um curso desses sendo homebroker. O máximo de resultado imediato, se bem implementado, é a iniciação pela formação de uma poupança, o que diga-se de passagem, no caso da proposta da ENEF já será uma vitória”, destaca Silvia Alambert.



Nos últimos dias, o programa de educação financeira voltado para crianças, The Money Camp e o ITESA (Instituto de Tecnologia Social Aplicada) firmaram uma parceria. De forma inédita no Brasil, juntos levarão os benefícios da educação financeira para comunidades em situação de vulnerabilidade socioeconômica na capital Paulista, por meio do projeto “Educação Financeira para Todos”, cuja iniciativa deve se difundir por todo o País nos próximos meses, também por meio de parcerias com órgãos governamentais, ONGS e empresas.

Inicialmente serão atendidas 250 crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade socioeconômica no bairro do Jaguari, na capital Paulista, região onde ITESA já atua. O programa acontecerá de forma continuada, respeitando os limites de cada faixa etária, explica Silvia Alambert, educadora financeira e diretora executiva da The Money Camp no País. Silvia Alambert explica que o ITESA é mais um licenciado e multiplicador do conceito The Money Camp no Brasil. A idéia é trabalhar as crianças e jovens, mas também orientar as famílias com relação às oportunidades com seus recursos.



Atualmente, o ITESA desenvolve projetos voltados ao desenvolvimento humano e social de crianças e adolescentes, através da realização de oficinas com atividades culturais e esportivas, complementares a educação formal, em parcerias com as lideranças locais, poder público, empresas e organizações não governamentais.



Desta forma, a parceria firmada com o programa The Money Camp permitirá a implantação dos ensinamentos da educação financeira nesses projetos que são desenvolvidos pelo ITESA. Os ensinamentos sobre educação financeira serão implantados tanto nos trabalhos de desenvolvimento local, neste caso como uma ferramenta complementar e poderosa, ou de forma independente, pois a metodologia The Money Camp facilita o entendimento de todos sobre questões financeiras e desperta para a necessidade da mudança de seus hábitos para que cada um alcance uma vida mais digna e tranquila, independente de sua classe social.





Perfil - Silvia Alambert



Silvia Alambert, empresária, sócia-diretora da The Money Camp Brasil, programa de educação financeira para crianças, jovens e adultos. Formada em Secretariado Executivo Bilíngüe pela Universidade Anhembi-Morumbi, professora de inglês certificada pela Cambridge University, Londres, membro da Associação Internacional para a Cidadania e Educação Econômica e Social (IACSEE), única educadora financeira licenciada no Brasil pela Creative Wealth International para transmitir os conceitos e metodologia do programa The Money Camp e certificar multiplicadores no país.


Perfil - The Money Camp –



The Money Camp é um programa de educação financeira que surgiu nos Estados Unidos em 2002. Após ler uma reportagem em um jornal de grande circulação em São Paulo, a empresária Silvia Alambert se interessou pelo assunto e viajou para os Estados Unidos para conhecer o trabalho e participar do curso para treinamento de professores, ministrado por Elisabeth Donati, fundadora do curso The Money Camp. Desta forma, Silvia foi treinada e certificada para coordenar o programa Money Camp no Brasil, cuja iniciativa foi lançada oficialmente no dia 20 de dezembro de 2006, em um evento promovido para profissionais da área de educação.

Através de um método inovador, conhecido no Brasil como Emotopedia (método que tem como objetivo mobilizar as potencialidades humanas para alcançar objetivos e desenvolvido pelo Prof. Dr. Luiz Machado) alinhada a Aprendizagem Acelerativa, cada aluno participante do curso passa a ter um novo olhar com relação ao seu planejamento de vida futuro e recebe conhecimentos necessários para que passe a realizar escolhas financeiras de forma inteligente e saudável. Os cinco pilares da administração do dinheiro – fazer dinheiro, poupar, investir com sabedoria, gastar com inteligência e compartilhar - são tratados dentro do universo dos alunos que aprendem, entre outras coisas, a administrarem seus recursos para viverem um futuro de forma planejada e tranquila. 'A educação financeira deve servir como ferramenta para a formação consciente do cidadão com relação à linguagem do dinheiro e tipos e formas de investimento', ressaltou Silvia.

A metodologia utilizada no programa The Money Camp' está alinhada com as modernas descobertas no campo cognitivo (Ensino para a Compreensão, Teoria das Múltiplas Inteligências) com as diretrizes da UNESCO em seus quatro pilares da educação no século XXI. Aprender a SER, Aprender a APRENDER, Aprender a FAZER e Aprender a CONVIVER. A transmissão de todo o conteúdo financeiro é realizada de forma simples e divertida, tornando o curso envolvente e dinâmico, a fim de tornar a linguagem densa do mundo financeiro em um processo natural de aprendizagem.

É importante ressaltar que o programa The Money Camp foi adaptado à realidade brasileira e dispõe de profissionais altamente qualificados nas áreas de economia, psicopedagogia e matemática. O programa único em educação financeira para crianças e jovens da Money Camp vem se expandindo pelo território brasileiro e, em breve, crianças e jovens de mais dois importantes centros urbanos terão a oportunidade de receber os conhecimentos do programa de educação financeira The Money Camp.

.

Departamento de Comunicação – The Money Camp

Contato: Anna Karina Spedanieri – Assessora de Imprensa

Fone: (11) 9722-6600

E-mail:comunicacao@themoneycamp.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

FINANÇAS PESSOAIS: CINCO SINAIS QUE VOCÊ DEVE EVITAR EM 2020

DEMANDA POR SMARTLOCKERS CRESCE 30% NA LOGÍSTICA DO E-COMMERCE

Coronavírus: como as decisões dos governos afetam nosso bolso?