BOLSA DE VALORES PODE SE TORNAR ALVO DE MUITOS BRASILEIROS NOS PRÓXIMOS ANOS

O conforto da renda fixa será cada vez menor e as pessoas terão que mudar sua cultura de investimentos, informa Antonio De Julio, especialista em finanças do MoneyFit, programa integrado de desenvolvimento pessoal e financeiro



Hoje, muitas corretoras estão em busca também de pessoas da Classe C para que elas invistam em ações na Bolsa de Valores nos próximos anos. Até a linguagem dos termos do mundo da Bolsa devem se tornar mais simples para facilitar o acesso de todos. De olho nessa tendência, Antonio De Julio, especialista em finanças do Moneyfit, relata alguns aspectos que podem garantir total satisfação para todas as pessoas que tenham interesse por esse tipo de investimento.

Para aplicar o dinheiro na Bolsa de Valores em nosso país, é preciso estar em dia com a vida financeira , pois, esse tipo de investimento é baseado em renda variável, isto é, o investidor pode ter tanto um ganho quanto uma perda de dinheiro em um determinado período. “Caso a pessoa esteja endividada e está contando com um rendimento da bolsa para sanar essas dívidas, ela pode ter um problema duplo, pois se o mercado cair, ela continuará com a dívida e com um capital menor ainda. Ela também não pode aplicar na bolsa sem ter uma reserva financeira antes para momentos de dificuldade como a perda de emprego, problemas de saúde ou um gasto de emergência. Tem que estar com as finanças em ordem para somente então depois pensar em aplicar em renda variável”, alerta Antonio De Julio.


Para os iniciantes que desejam investir na Bolsa, o procedimento mais correto é entender que a bolsa não é um, "cassino", ou seja, um lugar “de apostas” e que cada pessoa precisa entender realmente o que é uma bolsa de valores, sua importância para a economia de um país, porque as empresas abrem capital e que nos países de primeiro mundo as aplicações de renda fixa oferecem juros muito baixos, ao contrário do que acontece no Brasil há alguns anos. “O investidor deve tomar as suas próprias decisões, definir estratégias CLARAS de aplicação, saber quando entrar e quando sair, no lucro e na perda”, alerta Antonio De Julio.

Quanto ao valor mínimo de cada ação, hoje existem fundos hoje no mercado que aceitam aplicações mínimas de R$ 100,00. Outro detalhe importante que cada pessoa deve buscar é ter seu próprio conhecimento sobre o assunto, pois, desta forma ela pode analisar a sua própria movimentação na Bolsa, além de saber quem realmente pode dar opiniões e gerenciar seu capital. “Hoje existem muitos profissionais que se dizem qualificados para gerir carteiras de investimentos, quando na verdade eles não podem fazer isso”, alerta Antonio De Julio.

Segundo o especialista em finanças, para as pessoas que estão mirando a Bolsa de Valores como um investimento, com certeza será um bom caminho, mas que exige bastante conhecimento, assim como análise de mercado, controle de risco, entre outros fatores. É uma cultura de investimentos muito praticada em países desenvolvidos, e o Brasil está caminhando para ser um país desse time, segundo Antonio. Mas ainda a insegurança faz parte da vida de muitos brasileiros, pois, aqui o que predomina ainda é a cultura da renda fixa que reuniou nos últimos anos devido as altíssimas taxa de juros. Ele explica que o conforto da renda fixa será cada vez menor e os investidores vão ter que começar a mudar sua cultura de investimentos. Existem pessoas que tem medo de colocar seu dinheiro em ações de empresas brasileiras, que acham arriscado, mas não acham arriscado abrir um negócio com um parente ou uma franquia por exemplo. Conhecimento é a palavra chave. Em especial para as pessoas que têm insegurança para investir na Bolsa, a melhor saída é saber fazer os investimentos corretos, explica Antonio De Julio. Saber o quanto colocar na renda fixa e na renda variável. E de novo o conhecimento é a chave para o sucesso. Portanto, a participação em cursos e palestras que trazem informações sobre esse mundo de investimento na Bolsa de Valores é essencial. Mais informações acesse o site www.moneyfit.com.br

SOBRE O PROGRAMA MONEYFIT - O programa MoneyFit, método integrado de desenvolvimento pessoal e financeiro, além de ensinar cada pessoa a poupar, prepara os alunos para identificarem as grandes oportunidades de negócios ou não, como se posicionar em relação aos “altos e baixos” da vida e como gerar as boas oportunidades dentro e fora do ambiente de trabalho. O aluno após a vivência desse método aprenderá a controlar seu dinheiro, construir bons relacionamentos, a identificar pessoas, atrair e aproveitar oportunidades dentro e fora do ambiente de trabalho, ganhar ambição de forma sustentável e finalmente passar de devedor para aplicador. www.moneyfit.com.br

QUEM FAZ O MONEYFIT

Antonio Fernando De Julio é conferencista, palestrante e coach. Criador do programa integrado de desenvolvimento financeiro MoneyFit®, atua na área de finanças há seis anos. Tem como formação a análise de sistemas e a publicidade, atua como trader independente de ações e opções na Bovespa e como consultor de finanças pessoais, utilizando o método MoneyFit®. Tem interesse nas áreas de finanças pessoais, desenvolvimento pessoal, educação e empreendedorismo.

Andre Massaro é conferencista, palestrante e coach. Criador do programa integrado de desenvolvimento financeiro MoneyFit®, atua na área de finanças há mais de quinze anos.Administrador com pós-graduação em Economia, já foi executivo financeiro de empresas e instituições financeiras. Atualmente atua como trader independente de derivativos na bolsa de valores e como consultor de finanças pessoais, utilizando o método MoneyFit®. É autor do livro MoneyFit (Editora Matrix).

Informações à Imprensa:
Anna Karina Spedanieri
imprensa@moneyfit.com.br
(11) 9722-6600
Acesse www.moneyfit.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

FINANÇAS PESSOAIS: CINCO SINAIS QUE VOCÊ DEVE EVITAR EM 2020

DEMANDA POR SMARTLOCKERS CRESCE 30% NA LOGÍSTICA DO E-COMMERCE

Coronavírus: como as decisões dos governos afetam nosso bolso?