Inadimplência do consumidor brasileiro deve aumentar


Essa é a opinião de Antonio De Julio, especialista em desenvolvimento pessoal e financeiro do Moneyfit



O indicador de Inadimplência do Consumidor, divulgado no último dia 12/08 pela Serasa Experian registrou alta de 3,9% em julho na relação com o mesmo mês do ano passado, representando a terceira alta consecutiva na comparação anual, após ter registrado queda desde outubro de 2009. Segundo Antonio De Julio, especialista em desenvolvimento pessoal e financeiro do MoneyFit, a inadimplência dos brasileiros deve aumentar nos próximos meses, principalmente se as pessoas não conseguirem “avaliar” o que é necessário comprar ou não, além do que já compraram a longo prazo e o juros que já estão pagando. "É preciso fazer um "pit-stop" nos gastos antes que seja tarde demais", alerta.



Segundo ele, as dívidas que os brasileiros contraíram são dívidas de prazos longos, como por exemplo, a venda recorde de automóveis, incentivados pelos descontos no I.P.I. que o governo concedeu para combater os efeitos da crise econômica mundial. Outros itens que podem ter influência futuramente em relação à inadimplência, são os descontos concedidos para a "linha branca" de eletrodomésticos e também para os móveis. “As pessoas compraram esses bens pelo impulso, sem calcular os valores do juros e incentivados pelo "massacre" das campanhas das montadoras e lojas nos principais meios de comunicação, todas com a famosa frase "essa prestação cabe no seu bolso". Com os juros desses financiamentos aumentando as parcelas, vai ficar mais difícil de honrar as contas atuais, isso sem falar nos reajustes rotineiros de água, luz, serviço de saúde, entre outros” alerta o especialista.

Para quem já está devendo além do que pode pagar, é preciso seguir um caminho árduo. Antonio De Julio explica que a equação "Gasto x Entrada de Dinheiro" tem que ser equalizada de alguma forma. “Ou a pessoa tenta alguma forma adicional para ter um ganho extra ou terá que ter dívidas menores. O que pode ser feito a princípio é um corte nas despesas, diminuir ou cortar os gastos com lazer, roupas, enfim, os "gastos variáveis" e se isso não funcionar, pode recorrer a um empréstimo consignado ou algum outro empréstimo com o juro mais baixo do que o cobrado pelos bancos para ajudar tentar saldar a dívida, explica o especialista.



Para ele, um dos idealizadores do método de desenvolvimento pessoal e financeiro MoneyFit, as pessoas precisam lidar com o dinheiro da forma que ele merece ser tratado, isto é, "com respeito. As pessoas não devem lidar com dinheiro apenas para satisfazer suas necessidades de consumo", afirma. Antonio De Julio relata que o dinheiro deve ser a base sólida para ajudar no crescimento profissional e pessoal. Ele explica que o MoneyFit trabalha com o conceito da "escala da evolução", assim como as academias de ginástica trabalham o condicionamento físico de seus alunos (por isso o nome "MoneyFit, que quer dizer "dinheiro em boa forma").



“As pessoas têm que ter um mínimo de saúde para ter mais saúde, assim como temos que ter um mínimo de dinheiro para poder um dia ter mais dinheiro. Quem não tem dinheiro não está apenas "endividado". Está é com o seu futuro travado, pois acorda para pagar dívidas. Nós devemos acordar é para buscar novas oportunidades em nossas vidas. É isso que o MoneyFit ensina: não só a colocar as finanças em ordem, mas também a atrair melhores oportunidades e a evitar as "falsas" oportunidades de quem busca seu sucesso profissional e pessoal” conclui ele.

QUEM FAZ O MONEYFIT

Antonio Fernando De Julio é conferencista, palestrante e coach. Criador do programa integrado de desenvolvimento financeiro MoneyFit®, atua na área de finanças há seis anos. Tem como formação a análise de sistemas e a publicidade, atua como trader independente de ações e opções na Bovespa e como consultor de finanças pessoais, utilizando o método MoneyFit®. Tem interesse nas áreas de finanças pessoais, desenvolvimento pessoal, educação e empreendedorismo.

Andre Massaro é conferencista, palestrante e coach. Criador do programa integrado de desenvolvimento financeiro MoneyFit®, atua na área de finanças há mais de quinze anos.Administrador com pós-graduação em Economia, já foi executivo financeiro de empresas e instituições financeiras. Atualmente atua como trader independente de derivativos na bolsa de valores e como consultor de finanças pessoais, utilizando o método MoneyFit®. É autor do livro MoneyFit (Editora Matrix).



SOBRE O PROGRAMA MONEYFIT - O programa MoneyFit, método integrado de desenvolvimento pessoal e financeiro, além de ensinar cada pessoa a poupar, prepara os alunos para identificarem as grandes oportunidades de negócios ou não, como se posicionar em relação aos “altos e baixos” da vida e como gerar as boas oportunidades dentro e fora do ambiente de trabalho. O aluno após a vivência desse método aprenderá a controlar seu dinheiro, construir bons relacionamentos, a identificar pessoas, atrair e aproveitar oportunidades dentro e fora do ambiente de trabalho, ganhar ambição de forma sustentável e finalmente passar de devedor para aplicador. www.moneyfit.com.br


Informações à Imprensa:
Karina Spedanieri
imprensa@moneyfit.com.br
(11) 9722-6600
Acesse www.moneyfit.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

FINANÇAS PESSOAIS: CINCO SINAIS QUE VOCÊ DEVE EVITAR EM 2020

DEMANDA POR SMARTLOCKERS CRESCE 30% NA LOGÍSTICA DO E-COMMERCE

Coronavírus: como as decisões dos governos afetam nosso bolso?