Fundação Vanzolini e Inovatech Engenharia apresentam conceitos de sustentabilidade para empreendimentos já existentes na Exposindico 2010

Construtores, administradores de condomínios e consumidores poderão esclarecer dúvidas sobre como é possível transformar um empreendimento já existente num ambiente sustentável



Os referenciais AQUA para certificação de edifícios existentes serão apresentados, na Exposindico 2010, pela Fundação Vanzolini, responsável pela certificação Processo AQUA e pela Inovatech - responsável pelo apoio técnico ao desenvolvimento de empreendimentos sustentáveis, entre os dias 23 e 26 de setembro, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo. Na ocasião, serão mostrados os conceitos e práticas que podem ser aplicados em empreendimentos já existentes para tornar sua operação mais sustentável. “Já estamos aplicando os referenciais AQUA para reforma e operação de edifícios comerciais e de serviços existentes em empreendimentos-piloto. Para os edifícios habitacionais em uso, a Fundação Vanzolini deverá desenvolver os referenciais específicos, em breve”, explica o professor Manuel Carlos Reis Martins, coordenador executivo do Processo AQUA na Fundação Vanzolini.

Durante a feira, administradores de condomínios, construtores e consumidores terão a oportunidade de conhecer vários sistemas e materiais que se aplicam às construções sustentáveis. Além disso, as empresas parceiras do Processo AQUA, que participarão do encontro, devem contribuir para demonstrar as ações de sustentabilidade que reduzem impactos ambientais. A importância da certificação de sustentabilidade em reformas e operação de edifícios comerciais e de serviços é enorme, já que, atualmente, somente na capital paulista existem cerca de 60 mil empreendimentos em uso.

Segundo o engenheiro civil Luiz Henrique Ferreira, da Inovatech Engenharia, consultoria que detém 55% dos empreendimentos certificados pelo Processo AQUA, fala-se muito em construir empreendimentos sustentáveis. “Mas é preciso também oferecer um caminho para os empreendimentos já existentes, de forma clara e adaptada à realidade brasileira, um dos objetivos da Inovatech, em parceria com a Fundação Vanzolini, que viabilizou o processo AQUA no Brasil, inspirado no sistema francês HQE (Haute Qualité Environnementale).

O primeiro passo para transformar um empreendimento já existente num ambiente sustentável é a realização de um diagnóstico para avaliar se o empreendimento é termicamente confortável, se tem boa iluminação natural e ventilação, e pouca umidade. “Também é importante avaliar as possibilidades de redução do consumo de energia elétrica e de água. Com o diagnóstico em mãos, o proprietário do edifício e seu arquiteto devem elaborar um projeto tendo em vista a minimização dos impactos ambientais e a melhoria nas condições de conforto dos usuários para, em seguida, iniciar as obras” explica o engenheiro. Ferreira destaca também que é muito importante que o projeto parta de um diagnóstico bem feito, executado por um profissional que conheça os critérios de sustentabilidade e da Alta Qualidade Ambiental (AQUA).

Algumas mudanças que podem ser implementadas em empreendimentos já existentes para torná-los sustentáveis:


1. A boa qualidade e a coerência do projeto arquitetônico, em relação ao programa de necessidades e ao contexto sócio-econômico-ambiental e à infraestrutura urbana do local.

2. Dentro do item gestão de energia, a norma prevê o uso de equipamentos com o Selo Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica), além de lâmpadas economizadoras e iluminação das áreas comuns com sensores de presença (a lâmpada só acende se alguém está no ambiente).

3. Previsão de locais para coleta de resíduos nas áreas externas dos empreendimentos.

4. Sistema de Tubulações do lado externo da casa: facilita a manutenção.

5. Sistema de reutilização de água de chuva: dependendo dos índices pluviométricos, e da área de captação, uma casa pode economizar 50% no consumo de água fornecida pela concessionária e utilizá-la na rega de jardins e descarga nos sanitários.

6. Uso de bacia sanitária com caixa acoplada, que gasta de 3 a 6 litros por fluxo. Dependendo do uso e ocupação do edifício, a utilização de sistemas enonomizadores de água pode reduzir o consumo de 50% até 75%. Uma válvula de descarga convencional gasta aproximadamente 18 litros por fluxo.(Texto desenvolvido por Anna KArina Spedanieri - 03/09/2010 às 12h02).

Postagens mais visitadas deste blog

FINANÇAS PESSOAIS: CINCO SINAIS QUE VOCÊ DEVE EVITAR EM 2020

DEMANDA POR SMARTLOCKERS CRESCE 30% NA LOGÍSTICA DO E-COMMERCE

Coronavírus: como as decisões dos governos afetam nosso bolso?