André Massaro, especialista em finanças da MoneyFit, fala sobre os cuidados necessários para investir no mercado interno e no exterior

ABRIL/2011 - Segundo pesquisa de Sentimento dos Investidores Globais, realizada pela Franklin Templeton e divulgada nos últimos dias, 70% dos brasileiros querem investir no exterior. Para André Massaro, especialista em finanças da MoneyFit, empresa especializada em projetos de educação financeira, esse novo cenário retrata que a economia brasileira está se inserindo no mercado mundial. “O fato de muitos brasileiros estarem interessados em investir no exterior, em outras épocas, seria um claro sinal de desconfiança. Mas considerando o cenário atual, isso me parece mais um sinal de amadurecimento do investidor do que de insegurança”, destaca Massaro.


Andre Massaro explica que o mercado externo tem várias opções de investimentos. “A maioria dos brasileiros que busca investir no exterior acaba optando por fundos de investimentos. Muitos deles são até mesmo administrados por instituições brasileiras. Alguns brasileiros já deram o ‘passo além’ e abriram uma conta em uma corretora ou outra instituição no exterior, para cuidar diretamente de seu dinheiro”, destaca Massaro.

O especialista em finanças explica que o mercado brasileiro de investimentos ainda está em desenvolvimento na comparação com alguns países e por isso alguns brasileiros estão buscando outras opções. “Aqui o mercado de ações é fortemente concentrado em poucas empresas e setores. Já o mercado de derivativos oferece poucos contratos de opções e futuros com liquidez. O mercado de renda fixa também oferece opções limitadas – o mercado de títulos de renda fixa emitidos por empresas (os “corporate bonds”) é incipiente no Brasil, e extremamente popular lá fora”, completa André Massaro.

Apesar disso, André Massaro explica que ainda há muito a ganhar investindo no país. O pequeno investidor, para quem os investimentos no exterior são menos acessíveis, pode tirar proveitos de inúmeras oportunidades no mercado interno. Segundo ele, tudo é uma questão de “estudar, analisar e ‘fazer a lição de casa". Mas independentemente de ter intenção ou não de investir no exterior, Massaro explica que o simples ato de acompanhar o que acontece nos mercados externos é benéfico. Segundo ele, é importante o investidor acompanhar o que acontece lá fora, pois o movimento dos mercados financeiros internacionais pode dar pistas importantes sobre o que vai acontecer por aqui.

Os investidores mais ousados podem pensar em operar seu dinheiro no exterior, mas devem fazer um estudo aprofundado antes, para saber em que mercado vão operar (as opções são inúmeras!) e também para saber os aspectos fiscais e operacionais dessas operações. “O mercado internacional, apesar do desempenho animado das bolsas dos países desenvolvidos, ainda inspira cuidados, assim como o próprio mercado brasileiro. Títulos públicos emitidos por governos que estão com “a casa em ordem” e ações de empresas sólidas e com histórico de pagar bons dividendos sempre são uma boa pedida”, ressalta Massaro.

Sobre os riscos dos investimentos no exterior, André Massaro explica que é preciso cuidado, pois, o mundo dos investimentos é cheio de armadilhas, no Brasil e fora dele. Para quem vai investir no Brasil, a dica é sempre consultar o site da CVM para saber se aquela oportunidade de investimento é legítima. Quem vai investir no exterior deve tomar a mesma precaução e consultar o site da autoridade financeira do país onde quer investir. “Existem muitos programas de investimentos em commodities estrangeiras, moedas (forex) e instrumentos financeiros obscuros que prometem ganhos impressionantes, mas na verdade são apenas esquemas “ponzi” disfarçados de investimentos financeiros. Esses esquemas normalmente são sediados em países com regras financeiras frágeis e de reputação duvidosa, ou simplesmente não têm sede em lugar algum, sendo apenas um site na internet e uma conta corrente em algum paraíso fiscal para fazer o depósito. É prejuízo na certa! O brasileiro que quer investir no exterior deve procurar investir em países de boa reputação legal e financeira, e deve sempre consultar as autoridades financeiras desses países para saber se o investimento que está fazendo é legítimo e não uma ‘barca furada’”, conclui o especialista.

SOBRE A MONEYFIT – A MoneyFit é uma empresa de educação financeira que desenvolve programas educacionais com o objetivo de ajudar as pessoas a equilibrar suas contas e fortalecer suas vidas financeiras. (www.moneyfit.com.br).

André Massaro – É profissional da área de finanças há dezoito anos. Administrador e pós-graduado em Economia, já foi executivo financeiro de empresas e instituições financeiras e consultor especializado em finanças corporativas e desenvolvimento de negócios. Atualmente é trader independente de ações e derivativos, consultor em finanças pessoais e corporativas, educador financeiro, palestrante e escritor. É agente autônomo de investimentos credenciado pela CVM e autor dos livros “MoneyFit” e “Por Dentro da Bolsa de Valores”.

Antonio De Julio – É especialista em finanças pessoais e instrutor da MoneyFit, empresa especializada em educação financeira com expertise em projetos educacionais para jovens e adultos. Tem por objetivo ajudar as pessoas a equilibrar suas contas e fortalecer suas finanças.


Informações à Imprensa:
Karina Spedanieri
(11) 9722-6600
imprensa@moneyfit.com.br
www.moneyfit.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

FINANÇAS PESSOAIS: CINCO SINAIS QUE VOCÊ DEVE EVITAR EM 2020

DEMANDA POR SMARTLOCKERS CRESCE 30% NA LOGÍSTICA DO E-COMMERCE

Coronavírus: como as decisões dos governos afetam nosso bolso?