COM NOVO POSICIONAMENTO, ÁPICE SURGE COM MAIS FORÇA PARA PROMOVER O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE PRODUTOS ESPORTIVOS BRASILEIRO

São Paulo, março de 2015 – De acordo com estudos realizados pela consultoria LCA, em 2013 o mercado de produtos esportivos contou com um faturamento de R$ 3,7 bilhões no ano, gerando 53 mil empregos diretos e indiretos. Com os dois grandes eventos no Brasil (Copa realizada em 2014 e Olimpíadas em 2016) e cada vez mais brasileiros preocupados com a vida saudável, o movimento no mundo dos esportes tem crescido a cada ano. E não à toa, já em 2010, grandes empresas do setor de produtos esportivos se uniram para criar o Movimento pela Livre Escolha (MOVE), idealizado para unificar forças e promover o desenvolvimento na indústria brasileira. De lá pra cá, esse grupo de empresas cresceu com suas diretrizes, objetivos e importância e com a participação de mais corporações criou um novo posicionamento em 2015 e transformou o MOVE em uma associação batizada de Ápice (Associação pela Indústria e Comércio Esportivo –www.apice.org.br), que conta hoje com dez grandes empresas: Adidas, Alpargatas, Asics, New Balance, Nike, Oakley, Paquetá, Puma, Sketchers, Under Armour.

Hoje, a Ápice tem como missão compartilhar inovação e tecnologia de ponta, promover melhores práticas e tornar acessível produtos de alta qualidade para todos. A partir dessa missão, foi desenvolvida uma “agenda positiva” de ações para alavancar o setor da indústria de produtos esportivos no país em 2015 e 2016. “A apresentação desse projeto ocorrerá oficialmente no dia 21 de maio, com o desenvolvimento de workshop em Brasília (DF), no estádio Mané Garrincha, com a participação de autoridades governamentais e entidades parceiras”, ressalta Marina Carvalho, diretora presidente da Ápice.

Segundo a diretora da entidade, o setor de produtos esportivos pode contribuir intensamente para o desenvolvimento da indústria brasileira, pois além de ser pioneiro em tecnologia de ponta e inovação, promove políticas globais de sustentabilidade (meio ambiente, projetos sociais e práticas trabalhistas). “Esses fatores são considerados pilares fundamentais para o incremento estruturado da indústria nacional. Isso tudo, somada a experiência de utilização do esporte como fator de inclusão social coloca este setor em uma posição estratégica no diálogo com parceiros da cadeia de valor e com autoridades governamentais”, ressalta Marina.

om sede na capital Paulista (SP), a Ápice (Associação pela Indústria e Comércio Esportivo) representa empresas fabricantes de artigos esportivos no País mediante ao governo brasileiro e outras empresas e instituições interessadas no assunto. As ações desenvolvidas pela Ápice envolvem o aperfeiçoamento da qualidade dos produtos esportivos, combate à pirataria, facilitar o acesso dos consumidores a produtos esportivos com valores justos, aumentar a competitividade do setor brasileiro nas cadeias globais de valor com o incentivo a novas tecnologias, práticas sustentáveis, qualificação e desenvolvimento continuo da mão de obra. Além disso, pretende promover o esporte como plataforma de inclusão social em vários estados do País. Atualmente, as empresas associadas são: ADIDAS, ASICS, Alpargatas, Nike, Oakley, Puma, Paquetá, SKechers e Under Armour que possuem impacto direto em toda a cadeia de produção, da indústria de insumo ao comércio varejista. Site: www.apicebrasil.org.br
.

Postagens mais visitadas deste blog

FINANÇAS PESSOAIS: CINCO SINAIS QUE VOCÊ DEVE EVITAR EM 2020

DEMANDA POR SMARTLOCKERS CRESCE 30% NA LOGÍSTICA DO E-COMMERCE

Coronavírus: como as decisões dos governos afetam nosso bolso?