EM JULHO FORAM REGISTRADOS R$ 633 BILHÕES EM MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS, AUMENTO DE 12% EM RELAÇÃO A JUNHO


Em julho/2020 foram registrados R$ 633 bilhões em movimentação de cargas em todo o país, aumento de 12% em relação ao mês anterior, quando foram contabilizados R$532 bilhões, segundo a  AT&M Tecnologia, empresa líder que detém mais de 90% do mercado averbação de seguros de transporte de cargas. Sua base de dados é formada por mais de 26 mil transportadoras e embarcadores, com dados contabilizados a partir de notas fiscais e Conhecimentos de Transportes (CT-es) eletrônicos informados diariamente no momento do embarque pelo transportador. No período também foram averbados 76 milhões de documentos sobre registros de cada movimentação de carga, aumento de 8,4 % em relação a junho, quando foram averbados 64 milhões.  

 

Além dos valores de cargas movimentadas no território brasileiro, a quantidade de transportes realizados de mercadorias também registrou aumento, sinais que refletem a recuperação da economia, com novas formas e estabilização do consumo, informa Vagner Toledo, sócio fundador da empresa. “O comportamento do consumidor está em transformação,  sendo que o e-commerce é incorporado com maior velocidade em diversos setores e as vendas presenciais já estão cercadas por novos cuidados e protocolos de conduta para que os negócios mantenham-se vivos. Com isso, itens de necessidade básica, como alimentos, medicamentos, produtos de higiene também contribuíram para que o país comece a registrar os primeiros sinais de recuperação, principalmente no setor varejista e agronegócio”.   

 

 

PRIMEIRO SEMESTRE 2020

O primeiro semestre de 2020 foram registrados R$3,7 trilhões em movimentação de cargas, aumento de 10% em relação ao mesmo período de 2019, quando foram contabilizados R$2,9 trilhões em movimentação de cargas. A seguir, confira o desempenho mês a mês dos períodos citados acima.




2020

Janeiro: R$ 541 bilhões

Fevereiro: R$ 531 bilhões

Março: R$ 556 bilhões

Abril: R$430 bilhões

Maio: 482 BILHÕES

Junho: R$ 532 bilhões

 

 

 2019

Janeiro: R$ 469 bilhões

Fevereiro: R$ 488 bilhões

Março: R$ 511 bilhões

Abril: R$ 480 bilhões

Maio: R$ 516 bilhões

Junho: R$ 496 bilhões

 

Fonte: AT&M, base de dados mais de 26 mil transportadoras e embarcadores.  




Desde 2018, os dados de movimentação de cargas que são informados oficialmente ao mercado pela AT&M refletem com segurança, o termômetro do transporte de cargas do Brasil. Os indicadores da empresa não são construídos com base em pesquisa ou percepções de mercado. Para a contabilização diária, sem interrupções, sete vezes por semana, 24 horas por dia, a empresa mantém infraestrutura tecnológica formada por servidores instalados em um dos maiores data centers do mundo.

 

 

SOBRE A AT&M (www.atmtec.com.br) - Com sede em Indaiatuba (SP) e escritório comercial na capital Paulista, a AT&M tem mais de duas décadas de atuação no mercado de tecnologia. Pioneira na criação da averbação eletrônica para o transporte de cargas, hoje é responsável pelo tráfego de mais 80 milhões de documentos, entre seguradoras, corretoras, transportadoras e embarcadores totalizando mais de 26 mil clientes em todo o país. Com a experiência adquirida e confiança de seus parceiros e clientes, hoje atende mais de 800 corretores, 95% das seguradoras, mais de 400 Sistemas de emissão (TMS) integrados com mais de 30 mil pontos de sistemas instalados para embarcadores e transportadoras, sendo todos do segmento de logística e seguro do transporte de cargas. Disponibiliza ao mercado, mais de 10 soluções tecnológicas para transportadores e embarcadores — de ponta a ponta, desde processos 100% automatizados até manuais. Possui equipe altamente qualificada e dedicada, com suporte técnico 24 horas, todos os dias da semana. Além disso, conta com uma equipe de outsourcing trabalhando in company em alguns de seus clientes. 

Postagens mais visitadas deste blog

FINANÇAS PESSOAIS: CINCO SINAIS QUE VOCÊ DEVE EVITAR EM 2020

DEMANDA POR SMARTLOCKERS CRESCE 30% NA LOGÍSTICA DO E-COMMERCE

Estacionamentos e shoppings ociosos podem ser aliados da logistica?